2016 18 de junho; 39 (1): 19-35. doi: 10.3233 / NRE-161335.

Significância da abordagem de Feuerstein na reabilitação neurocognitiva.

Lebeer J  .

RESUMO:

 

A teoria da Modificabilidade Cognitiva Estrutural e Experiência de Aprendizagem Mediada de Reuven Feuerstein afirma que indivíduos com comprometimento cerebral, por causa de origem congênita ou adquirida, podem substancialmente e estruturalmente melhorar seu funcionamento cognitivo, por uma intervenção sistemática baseada em um tipo de interação ("aprendizagem mediada"). Três sistemas de aplicação são baseados nele: uma avaliação dinâmica-interativa da capacidade de aprendizagem e processos de aprendizagem, o LPAD (Learning Propensity Assessment Device); um programa de intervenção cognitiva chamado "Programa de Enriquecimento Instrumental - PEI ", que treina funções cognitivas, metacognitivas e executivas; e um programa, que é orientado no trabalho em contexto, Shaping Modifying Environments. Esses programas foram aplicados em grupos-alvo amplamente diferentes: de crianças e adultos jovens com dificuldades de aprendizagem e desenvolvimento, com risco de fracasso escolar ou tendo falhado na escola, devido à desvantagem socioeconômica ou ao comprometimento neurológico congênito; jovens desfavorecidos e adultos em formação profissional, a pessoas idosas no início de um processo de demência. A experiência com a reabilitação cognitiva de crianças e adultos com danos cerebrais adquiridos tem sido relativamente recente, primeiro na Unidade de Lesão Cerebral do Instituto Feuerstein em Jerusalém, mais tarde em outros centros em diferentes partes do mundo; portanto, dados científicos são escassos.

OBJETIVOS:

 

O objetivo deste artigo é examinar como a abordagem de Feuerstein se encaixa nos objetivos e abordagens propostas de reabilitação cognitiva e explorar sua relevância para avaliação e intervenção em indivíduos com dano cerebral congênito ou adquirido.

 

RESULTADOS:

 

Melhoria cognitiva estrutural pode ser demonstrada em escores de mudança positiva na memória visuo-espacial, memória associativa e verbal, pensamento abstrato e tarefas de organização, até mais de 10 anos pós-TCE. Em alguns casos, um aumento no QI foi documentado. A melhoria no funcionamento da vida diária e a (re) aprendizagem de habilidades acadêmicas também foram vistas.

 

PALAVRAS-CHAVE:

Reabilitação cognitiva; A teoria de Feuerstein da modificabilidade cognitiva estrutural; dano cerebral adquirido; avaliação dinâmica; plasticidade ecológica; experiência de aprendizagem mediada

 

Link para pesquisa: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27341359

Efeitos do Programa de Enriquecimento Instrumental - PEI no desenvolvimento psicoeducacional de adolescentes com baixo desempenho.
PMID:
 
521548
[Indexado para MEDLINE]

 

Link para pesquisa: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/521548

Modificabilidade cognitiva de crianças com deficiências de desenvolvimento: um estudo multicêntrico usando o Programa de Enriquecimento Instrumental Básico - PEI -B de Feuerstein.

Abstrato

O objetivo do estudo foi explorar a efetividade da intervenção cognitiva com o novo Programa  Enrquecimento Instrumental Básico (PEI-B), baseado na teoria da modificabilidade cognitiva estrutural de Feuerstein, que sustenta que o funcionamento cognitivo de uma criança pode ser significativamente modificado através da intervenção de aprendizagem mediada. O programa PEI-B destina-se a melhorar o funcionamento cognitivo de domínio geral em várias áreas (percepção sistemática, habilidades de autorregulação, vocabulário conceitual, planejamento, decodificação de emoções e relações sociais), bem como a transferência de princípios aprendidos para os domínios da vida diária. Os participantes eram crianças com DCD, CP, deficiência intelectual de origem genética, transtorno do espectro autista, TDAH ou outros transtornos de aprendizagem, com uma idade mental de 5-7 anos, do Canadá, Chile, Bélgica, Itália e Israel. As crianças dos grupos experimentais (N = 104) receberam de 27 a 90 horas do programa durante 30 a 45 semanas; os grupos de comparação (N = 72) receberam terapia ocupacional e sensório-motora geral. A análise dos escores de ganho pré-pós-teste demonstrou vantagem significativa (p <0,05) dos grupos experimentais em comparação com três subtestes do WISC-R ("Semelhanças", "Conclusão da Imagem", "Arranjo de Figuras") e Matrizes com Cor Raven. Tamanhos de efeito variaram de 0,3 a 0,52. Os resultados sugerem que é possível melhorar o funcionamento cognitivo de crianças com incapacidade de desenvolvimento. Nenhuma vantagem foi encontrada para crianças com etiologia específica. Maiores ganhos cognitivos foram demonstrados pelas crianças que receberam o programa em um contexto educacional em que todos os professores estavam comprometidos com os princípios da aprendizagem mediada.

PMID:
 
20056377
 
DOI:
 
10.1016 / j.ridd.2009.12.001
[Indexado para MEDLINE]

 

Link para pesquisa: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20056377

 

Resumos de Pesquisa sobre o PEI, LPAD, e as abordagens de Feuerstein

Mediação e desenvolvimento do pensamento nas escolas

 Heidi Flavian

 Emerald Publishing, 2019

Resumo: Os benefícios da mediação no desenvolvimento das crianças são uma área que ainda não foi totalmente explorada. A mediação promove o aprendizado por meio das interações dos alunos com o meio ambiente e enfatiza a ideia de que a sociedade é responsável pelo desenvolvimento de todas as criançasEste livro oferece um modelo prático exclusivo de mediação eficaz que integra teorias de mediação de diferentes períodos e baseia-se no trabalho de cinco teóricos; Dewey, Piaget, Vygotsky, Feuerstein e Gardner. Também são apresentados os principais resultados de pesquisas neuro-pedagógicas mais recentes O desenvolvimento da mediação e do pensamento nas escolas apóia a ideia de que os resultados acadêmicos não são suficientes para medir o desenvolvimento de uma criançaeducadores com visão de futuro sabem que não apenas precisam ensinar conteúdo disciplinar específico, mas também conhecimentos e habilidades que serão úteis no futuro de seus alunos. Portanto, é necessário entender como mediar a aquisição de conhecimento em vez de ser a fonte de conhecimento. Ao esclarecer completamente a teoria e a prática da mediação, este importante texto será inestimável para líderes, pesquisadores e professores no ensino fundamental e médio.

 

Ensinar e Aprender a Ensinar com Experiências Recursivas de Aprendizagem Mediada

 Reuben L. Yarmus e James J. Vagliardo

 Revista da Rede Europeia de Formação de Professores , 9, 159-168, 2014

Resumo: Os pontos de dados continuam a sublinhar uma crise alarmante na educação pública dos EUA, especialmente para crianças pobres, não-brancos e aprendizes da língua inglesa, bem como dissonância demográfica persistente e difusa entre futuros professores e alunos. Diante dessa crise e dissonância, os encarregados de preparar a próxima geração de educadores precisam identificar maneiras inovadoras de enfrentar preconceitos, suposições, pseudo-conceitos, status quo e cumplicidade, além de promover um senso de justiça social e um espírito de implacável. Inspirados no trabalho de Vygotsky e Feuerstein e com base em sua própria pesquisa e prática, os autores propõem experiências de aprendizagem mediada recursiva, detalhando uma série de atividades que eles estão utilizando em cursos no campus e durante o ensino prático para atrair futuros professores, instrutores universitários e mentores  para que se tornem o motor de abordagens envolventes, colaborativas, orientadas a processos, viscerais e cerebrais, mais informados e, esperançosamente, orientando a prática profissional de sucesso .

 

A teoria da Experiência de Aprendizagem Mediada (MLE) na instrução de língua significativa

Mutlu e Mehmet Şahin

Jornal Internacional sobre Novas Tendências da Educação e Suas Implicações10 (2), 2019

Resumo: De acordo com o método de Feuerstein, as pessoas podem melhorar suas habilidades de aprendizado, pensamento e análise Além disso, instruções significativas para as crianças demostram relacionamento mediadoÉ fato que todos têm a capacidade imensurável de aprimorar suas aptidões de aprendizado e aumentar sua inteligência. Nesse contexto, pensar, analisar e pensar funcionam juntos para uma experiência de aprendizado completa. Este estudo tem como objetivo investigar a importância e a influência produtiva da teoria da Experiência de Aprendizagem Mediada (MLE) no contexto do ensino significativo da língua estrangeira. Fundamentalmente, o estudo discute de que maneira o ambiente enriquecido da aprendizagem sugerida MLE afeta, os dois grupos menos favorecidos, alunos e instrutor de idiomas. O grupo de estudo é composto por participantes selecionados aleatoriamente entre os alunos do 2º ao 8º ano de escolaridade de uma escola secundária localizada em uma vila, Akören, em Konya, Turquia. Os dados foram obtidos com a ajuda dos formulários de observação e dos questionários semiestruturados desenvolvidos para esse fim. Os resultados indicam que o MLE tem um impacto significativo e contribui para o aprendizado significativo da língua estrangeira, apoiando o raciocínio e a análise de habilidades.

 

 Aprimoramento cognitivo e reabilitação para a população idosa: aplicação do Programa de Enriquecimento Instrumental Feuerstein para idosos.

 Publicada em: Tempo de vida e deficiência XV, 2 (2012), 21-33 

De: Reuven Feuerstein, Louis H. Falik, Rephael S. Feuerstein, Anat Cagan, Lea Yosef, Shmuel Rosen, Zvika Volk

Resumo: A proporção de idosos em rápida expansão na população exige esforços sistemáticos para manter a qualidade de vida, prevenir a deterioração mental e restaurar funções mentais perdidas ou em declínio. O Programa de  Enriquecimento Instrumental de Feuerstein (PEI) para Idosos é proposto como uma maneira eficaz de atender a essas necessidades. O programa é descrito e são feitas sugestões para o desenho de protocolos de pesquisa e intervenção. São apresentados resultados preliminares das respostas dos participantes do programa de projetos de implementação inicial. São discutidos os benefícios para o cliente mais velho, os cuidadores e as configurações de prestação de cuidados. Também são identificadas implicações para os cuidados e configurações de cuidadores.

 

Programa de Feuerstein para a facilitação do desenvolvimento cognitivo em crianças pequenas.

Publicado em: Journal of Cognitive Education and Psychology, 10 (3), pp. 224-237, 2011

De: Meir Ben Hur e Refael S. Feuerstein

Resumo: Os autores defendem a inclusão de programas de enriquecimento cognitivo no início da educação básica, que devem ser projetados para eliminar as discrepâncias precoces nas habilidades cognitivas das crianças e evitar dificuldades de aprendizado posteriores e lacunas na conquista. Após uma revisão da literatura sobre os programas de enriquecimento cognitivo precoce existentes e seus efeitos em crianças com deficiência cognitiva e crianças com necessidades especiais, os autores apresentam as características teóricas e programáticas do programa básico de três anos de Feuerstein, além de uma breve descrição de seus diferentes módulos. Os autores também fornecem um resumo de todas as evidências disponíveis da eficácia do programa, incluindo os resultados de três estudos de avaliação de projetos-piloto nos Estados Unidos.

 

 Ajudar os estudantes minoritários a ter sucesso em uma faculdade tecnológica: uma 'ida e volta' das funções cognitivas ao currículo e vice-versa.

 Publicado em: International Journal of Inclusive Education, 15: 4, 421-432, 2011 

De: romano Gouzman e Alex Kozulin

 Resumo: O presente estudo investigou a eficácia de um programa de enriquecimento cognitivo como uma ferramenta para aumentar as chances de estudantes imigrantes e minoritários serem admitidos em uma faculdade de tecnologia. Os alunos receberam duas sessões semanais (quatro horas) do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI) durante o segundo semestre do programa preparatório da faculdade. Os princípios cognitivos do PEI foram "interligados" ao material curricular de matemática e ciências. As tarefas de matemática e ciências foram analisadas para mostrar aos alunos os princípios cognitivos subjacentes essenciais para sua solução. Os graduados do programa tiveram muito mais sucesso em serem admitidos na faculdade tecnológica do que os estudantes de anos anteriores que não receberam enriquecimento cognitivo.

 

 Modificabilidade cognitiva de crianças com deficiência no desenvolvimento: um estudo multicêntrico usando o programa básico de enriquecimento instrumental de Feuerstein.

 Publicado em: Research in Developmental Disabilities, 31: 551-559, 2010.

Por: A. Kozulin, J. Lebeer, A. Madella-Noja, F. Gonzalez, I. Jeffrey, N. Rosenthal e M. Koslowsky

Resumo: O estudo teve como objetivo explorar a eficácia da intervenção cognitiva com o novo Programa de Enriquecimento Instrumental Enrichment Básico  (PEI-básico), baseado na teoria Modificabilidade Cognitiva Estrutural de Feuerstein. Afirma que o funcionamento cognitivo de uma criança pode ser significativamente modificado através de intervenção de aprendizagem mediada. O programa básico do PEI visa aprimorar o domínio do funcionamento cognitivo geral em várias áreas (percepção sistemática, habilidades de auto-regulação, vocabulário conceitual, planejamento, decodificação de emoções e relações sociais), bem como transferir princípios aprendidos para os domínios da vida cotidianaOs participantes eram crianças com dedeficiência intelectual de origem genética, desordem do espectro autista, TDAH ou outra dificuldade de aprendizagem com idade mental de 5 a 7 anos, do Canadá, Chile, Bélgica, Itália e Israel. As crianças dos grupos experimentais (N = 104) receberam 27 a 90 horas do programa durante 30 a 45 semanas; agrupos de comparação (N = 72) receberam assistência ocupacional geral e  terapia sensório-motorA análise dos escores de ganho pré e pós-teste demonstrou vantagem significativa (p <0,05) dos grupos experimentais sobre comparação em três subtestes WISC-R ('' Semelhanças '', '' Conclusão da imagem '', '' Arranjo da imagem '' ) e matrizes coloridas de corvo. Os efeitos variaram de 0,3 a 0,52. Os resultados sugerem que é possível melhorar o funcionamento cognitivo crianças  com incapacidades no desenvolvimento. Nenhuma vantagem foi encontrada para crianças com etiologia específica. Maiores ganhos cognitivos foram demonstrados por crianças que receberam o programa em um contexto educacional em que todos os professores estavam comprometidos com os princípios da aprendizagem mediada.

 

Modificabilidade cognitiva de novos adultos imigrantes.

 Publicado em: Mente, Cultura e Atividade, 16: 117-129, 2009.

Por: Alex Kozulin

Resumo: A primeira questão de pesquisa deste estudo diz respeito à plasticidade dos processos cognitivos de aprendizes adultos confrontados com a tarefa de se adaptar a uma nova linguagem e a um sistema não familiar de educação formal. A segunda pergunta investiga a contribuição relativa de duas formas diferentes de intervenção cognitiva - o procedimento do Dispositivo de Avaliação de Potencial de Aprendizagem (LPAD) e o programa de educação cognitiva - para a modificabilidade cognitiva de adultos imigrantes. Ambas as formas de intervenção foram estudadas no passado, mas nunca em comparação. Pareceu, portanto, importante comparar o desempenho de estudantes adultos imigrantes que receberam apenas o procedimento LPAD com o dos estudantes que receberam LPAD e uma intervenção cognitiva prolongada. Os resultados indicam que os processos cognitivos dos imigrantes adultos são modificáveis.

 

Avaliação dinâmica da linguagem receptiva em crianças com síndrome de Down.

 Publicado em: Avanços na Fonoaudiologia, 9: 323-331, 2007

Por: S. Alony e A. Kozulin

Resumo: O objetivo do presente estudo foi explorar os aspectos receptivos e dinâmicos do desenvolvimento da linguagem de crianças pequenas com síndrome de Down (SD). Pela sua própria natureza, a avaliação dinâmica típica (DA) de Funções cognitivas concentra-se na inteligência 'fluida' que é mais acessível mudar, do que no conhecimento verbal que é "cristalizado". Acreditamos, no entanto, que qualquer situação de avaliação, mesmo visando conhecimento cristalizado inclui muitas estratégias cognitivas obscurecidas condições de teste estático que pode ser revelado via DA. Trinta crianças com SD (3 a 7 anos) participaram do estudo. O Teste de Vocabulário de Imagens Peabody (PPVT-R) foi utilizado em métodos estáticos e modalidades de avaliações dinâmica. Os resultados indicam que mesmo uma mediação mínima na forma de ''foco'' melhora o desempenho da linguagem receptiva de crianças com DS. Análise transversal das tendências de desenvolvimento indicam que o desenvolvimento de crianças com SD gerada pelo procedimento DA está mais próxima da tendência normativa do que a tendência gerada pelos dados de testes estáticos. O tamanho do efeito do procedimento DA é discutido como bem a relação entre a modificabilidade no área da linguagem em comparação com outras áreas cognitivas.

 

 Integração de alunos culturalmente diferentes nas aulas regulares.

 Publicado em: Transylvania Journal of Psychology: Edição Especial sobre Educação Inclusiva e Cognitiva, 2: 99-105, 2006.

Por: Alex Kozulin

Resumo: Hoje, estudantes culturalmente diferentes constituem o maior grupo em necessidade de atenção especial à sua integração nas classes principais. A falta de congruência entre a experiência anterior de aprendizado e as demandas do novo sistema educacional coloca muita crianças imigrantes em risco de insucesso escolar. Um novo modelo CoReL (Lições de Reforço Concentrado) que visa solucionar os problemas de aprendizagem de filhos de imigrante sem risco foi desenvolvido no ICELP. O CoReL é um modelo de intervenção por tempo limitado baseado na integração do Programa de Enriquecimento Instrumental, com intensas aulas de linguísticas e aulas de matemática infundido os princípios da aprendizagem mediada. A avaliação do estudo realizado com quatro grupos de estudantes imigrantes da Etiópia demonstrou uma mudança estatisticamente significativa no desempenho cognitivo, bem como na compreensão e leitura, solução de problemas e na matemática.

  

A intervenção da experiência de aprendizagem mediada aumenta a esperança dos membros da família lidarem com um parente com doença mental grave.

 Publicado em: Jornal de Saúde Mental Comunitária, 46 (4): 409-15, 2010.

Por: Dorit Redlich, Naomi Hadas-Lidor, Penina Weiss e Israel Amirav

Resumo: A esperança é central na recuperação dos doentes mentais, e as atitudes da família desempenham um papel importante. A esperança pode ser mediada por processos cognitivos e de comunicação. O programa “Keshet” visa melhorar a comunicação dos membros da família com o uso de caminhos cognitivos. O presente estudo piloto examina se o programa aumenta efetivamente a esperança dos membros da família em relação a si mesmos versus a esperança de seus parentes doentes. Métodos: Quarenta e nove familiares que participaram do programa “Keshet” por 6 meses compuseram o grupo experimental. O grupo controle foi composto por 22 membros da família que não foram submetidos a intervenção estrutural. A esperança foi medida na linha de base e após 6 meses usando a Escala da Esperança, desenvolvida por Snyder. Nenhuma diferença na autopercepção foi detectada nos índices de esperança entre os grupos. Contudo, o grupo experimental exibiu um aumento significativo de sua esperança em relação ao parente doente, com uma diminuição concomitante na lacuna entre a esperança dos membros da família em relação a si mesmos versus sua esperança em relação à pessoa doente. O “Keshet” aumentou significativamente a esperança das famílias em relação à pessoa doente, enquanto diminuiu o fosso entre a esperança dos membros da família em relação a si mesmos e à pessoa afetada. Assim, o programa pode contribuir para aumentar a esperança das famílias na jornada de recuperação de familiares com doenças mentais. enquanto diminui a diferença entre a esperança dos membros da família em relação a si mesmos e à pessoa afetada. Assim, o programa pode contribuir para aumentar a esperança das famílias na jornada de recuperação de familiares com doenças mentais. enquanto diminui a diferença entre a esperança dos membros da família em relação a si mesmos e à pessoa afetada. Assim, o programa pode contribuir para aumentar a esperança das famílias na jornada de recuperação de familiares com doenças mentais. 

 

 Reavaliando a prática atual de avaliação de crianças com necessidades educacionais especiais na Europa.

 Publicado em: School Psychology International, 33 (1) 69-92, 2011.

Por: Jo Lebeer, Noemi Birta-Szekely, Karmen Demeter, Krisztina Bohacs, Adelina Araujo Candeias, Gunvor Sonnesyn, Petri Partanen e Lorna Dawson

Resumo: Este artigo relata os resultados do projeto europeu 'DAFFODIL' (Avaliação dinâmica de funcionamento e orientada para o desenvolvimento e a aprendizagem inclusiva) sobre a questão de como os sistemas de avaliação funcional e de aprendizagem facilitam ou inibem a participação de crianças com dificuldades de desenvolvimento na educação inclusiva. Os questionários foram enviados a profissionais médicos, psicológicos, educacionais e pais na Suécia, Portugal, Hungria, Bélgica, Romênia, Noruega e Ilhas Virgens. Foram organizadas entrevistas e grupos focais. Os resultados (95%) mostraram que os testes psicométricos estáticos padronizados do funcionamento intelectual, comportamental e de linguagem foram utilizados principalmente, sendo o WISC-III o teste mais frequente aplicado. Menos de 5% dos 166 profissionais de nossa amostra usaram avaliação formativa e observação contextual para revelar o potencial de aprendizado ou desenvolvimento de maneira orientada ao processo. Os especialistas geralmente não estavam satisfeitos com as práticas das avaliações atuais. Os pontos fracos relatados incluem falta de tempo, recursos humanos, materiais, cooperação e acompanhamento. A prática de avaliação foi usada principalmente para determinar se uma criança deve ser colocada em um programa de necessidades especiais, uma escola especial ou um ambiente institucional, dependendo de um país ter ou não uma prática educacional inclusiva. Os pais ficaram satisfeitos com a avaliação funcional estática quando seu objetivo era obter benefícios por incapacidade (financeira, recursos de educação especial, reconhecimento), mas ficaram descontentes com a perspectiva negativa dos relatórios. A principal queixa de professores e pais era sobre a pobreza de recomendações sobre como trabalhar com a criança. Concluímos que a prática atual de testes psicométricos padronizados parece contribuir para barreiras à aprendizagem, se usada de maneira determinística ou preditiva. Nesse sentido, métodos de avaliação dinâmicos e funcionais, com orientação qualitativa, parecem promissores ao abordar as questões de aprendizado e desenvolvimento de uma maneira diferente. Os métodos também contribuem para a compreensão das necessidades da criança em aprendizado e desenvolvimento. No entanto, a interpretação e a comunicação dos resultados da avaliação de maneira a enfatizar uma intervenção educacional mais adequada e desafiadora para a criança parece ser central. Concluímos que a prática atual de testes psicométricos padronizados parecem contribuir para barreiras à aprendizagem, se usada de maneira determinística ou preditiva. Nesse sentido, métodos de avaliação dinâmicos e funcionais, com orientação qualitativa, parecem promissores ao abordar as questões de aprendizado e desenvolvimento de uma maneira diferente.  

  

Potencial de aprendizagem em crianças com alto QI: A contribuição da avaliação dinâmica para a identificação de crianças sobredotadas.

 Publicado em: Aprendizagem e diferenças individuais, 21, 176-181, 2011.

Por: M. Dolores Calero, M. Garcia-Martin, M. Belen e Auxiliadora Robles

 Resumo: Nos últimos anos, os modelos de superdotação incorporaram variáveis pessoais e sociais que influenciam o QI, em vez de considerá-lo exclusivamente. Entre as várias opções apresentadas nesse contexto, os autores propuseram técnicas de avaliação dinâmica como método para revelar a capacidade potencial em diferentes grupos, independentemente do QI que apresentam. O objetivo do presente estudo foi investigar, em duas amostras de crianças espanholas da classe média urbana previamente identificadas como dotadas e de inteligência normal, três premissas básicas comuns aos estudos desta linha de pesquisa: (1) que existem diferenças significativas no potencial de aprendizagem entre crianças sobredotadas e crianças com QI médio; (2) que as diferenças são aparentes em diversas tarefas, e (3) que o potencial de aprendizagem prediz significativamente o status alto / médio dos sujeitos. 127 crianças de 6 a 11 anos (64 QI alto e 63 QI médio) foram avaliadas usando diferentes testes dinâmicos. Diferenças significativas entre grupos foram obtidas e os testes mostraram ter alto poder preditivo.

  

Estimação da plasticidade cognitiva em idosos utilizando técnicas de avaliação dinâmica.

Publicado em: Journal of Cognitive Education and Psychology, 8 (1) pp.38-51, 2009.

Por: Elena Navarro e Maria Dolores Calero

 Resumo: Nos últimos anos, a pesquisa forneceu dados extensos sobre o uso, utilidade e adequação de técnicas de avaliação dinâmica como forma de determinar a plasticidade cognitiva em idosos. A pesquisa atual nesta área está focada em três princípios de investigação: (a) determinação de correlatos neurológicos da plasticidade cognitiva avaliados por meio de técnicas de avaliação dinâmica; (b) estabelecer a utilidade diagnóstica de tais procedimentos; e (c) analisar os limites relacionados à idade em relação à quantidade e aos domínios da plasticidade. Nesse contexto, o presente estudo foi realizado com uma amostra de 274 idosos, avaliados por meio de duas técnicas de avaliação dinâmica e um teste de triagem da função cognitiva por um período de três anos consecutivos. Os resultados mostram diferenças em plasticidade relacionada à idade e ao status cognitivo. O estudo também demonstra a capacidade da plasticidade de prever manutenção e declínio em um período de acompanhamento de 3 anos.

 

Aplicação do PEI-Básico para promover o desenvolvimento cognitivo e afetivo em pré-escolares: um estudo chileno.

Publicado em: Journal of Cognitive Education and Psychology, 9 (3), 2010.

Por: Natalia Salas, Cecilia Assael, David Huepe, Teresa Pérez, Fernando González, Alejandra Morales, Rita Arévalo, Chetty Espinoza e Grimaldina Araya

Resumo: Este estudo explora a eficácia do Programa  de Enriquecimento Instrumental Básico (PEI-B) em aprimorar a cognição e funções afetivas de crianças pequenas. O PEI-B é um programa cognitivo de intervenção baseado nas teorias de modificabilidade cognitiva estrutural (SCM) de Feuerstein e experiência de aprendizagem mediada (MLE). Trinta crianças de 3 a 4 anos de idade foram designadas para grupos experimentais e controle. O grupo experimental recebeu o PEI-B por sete meses (total de 48 horas) e foi comparado ao grupo controle antes e após intervenção em testes de aquisição e conhecimento cognitivo e vocabulário. A mudança foi avaliada usando uma bateria de avaliação chilena que mediu linguagem, cognição e conhecimento das crianças. Os achados indicam que as crianças do grupo experimental melhoram sua perfomance mais do que as crianças no grupo de controle. Os resultados indicam que o PEI-B pode ser usado com crianças socialmente desfavorecidas, entre 3 e 4 anos, e isso leva a uma melhora no desempenho.

  

Explorando o impacto do Programa de Enriquecimento Instrumental de Feuerstein no desenvolvimento cognitivo de futuros educadores de matemática.

 Publicado em: The Journal of Transdisciplinary Research in Southern Africa, 6 (2), pp. 359-378, 2010.

Por: M. Kloppers e MM Grosser

Resumo: Neste artigo, os pesquisadores relatam os achados obtidos em um estudo explicativo seqüencial com método misto para estudar através de testes e narrativas, a fim de determinar até que ponto 24 futuros educadores de matemática de uma universidade sul-africana matriculados na graduação possuem habilidades cognitivas e estabelecer o potencial do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI) de Feuerstein para desenvolver e melhorar o potencial de habilidades cognitivas dos referidos futuros educadores. Os resultados indicaram que é necessário melhorar  as habilidades cognitivas dos potenciais educadores de matemática e que o PEI possui o potencial latente para melhorar e desenvolver habilidades cognitivas. O significado desta pesquisa reside na contribuição particular para equipar os professores envolvidos no treinamento de educadores com conhecimento sobre os méritos do PEI para melhorar performance cognitiva.

  

Efeitos da intervenção mediada nas funções cognitivas: um estudo piloto com alunos da 5ª série de uma escola de recuperação.

Publicado em: Australian Journal of Learning Difficulties, 14 (2), pp. 185-198, 2009.

Por: Joseph Seabi e Zaytoon Amod

Resumo: O presente estudo explorou os efeitos de um programa de intervenção mediada em uma amostra de alunos da 5ª série, em uma escola corretiva. Os participantes (n = 20) foram amostrados sistematicamente e constituíram dois grupos; ou seja, Mediação Individual (n = 10) e Mediação de Grupo (n = 10). A hipótese foi que os participantes expostos ao programa teriam uma melhoria significativa no funcionamento cognitivo medido pelas matrizes progressivas coloridas de Raven. Foi proposto ainda que os participantes do grupo de Mediação Individual tivessem um desempenho significativamente melhor do que aqueles da Mediação de Grupo. Defina as Variações B-8 a B-12 do Dispositivo de Avaliação de Potencial de Aprendizagem de Feuerstein como veículo para mediar deficiências cognitivas. Os resultados revelaram uma melhora significativa nas pontuações apenas dentro do grupo de Mediação Individual. Apesar da melhora estatisticamente significante obtida no grupo de Mediação Individual, não foi encontrada diferença estatisticamente significante entre a mediação individual e a amostra de mediação de grupo. Esses achados são discutidos à luz da literatura existente e são sugeridas recomendações futuras. 

  

Aplicações clínicas do modelo de modificabilidade cognitiva, experiência de aprendizagem mediada de Feuerstein e do Programa de Enriquecimento Instrumental

Dissertação de Krisztina Bohács. Ph.D. Tese. 2014. Escola de Pós-Graduação em Ciências da Educação, Universidade de Szeged, Hungria.

Participantes: Os participantes do nosso estudo (N = 15) foram escolhidos aleatoriamente em todas as partes da Hungria, de todas as origens socioeconômicas. Eles tinham idade muito diferente (de 2; 8 a 14; 8). Eles apresentavam distúrbio do desenvolvimento intelectual leve (n = 5) a moderado (n = 10) com etiologia muito diferente (síndromes genéticas, paresia cerebral, lesão cerebral perinatal e / ou doenças metabólicas) e apresentaram fenómenos heterogêneios e comórbidos (por exemplo, obsessivos comportamento, TDAH grave e / ou disfunção motora / dispraxia, ataxia e hemiphlegia/. Duas crianças foram diagnosticadas com TEA. Todos eles tiveram problemas com a compreensão da fala e linguagem expressiva. Quatro deles eram crianças não verbais na chegada.

Intervenção: PEI-Básico e MST (Mediated Self-talk) no âmbito da Experiência de Aprendizagem Mediada, como forma de interação. O tempo de aceleração foi de 24 meses em cada caso. As sessões de intervenção foram individuais, com grande intensidade (7 a 15 sessões por semana).

Metodologia: A primeira parte da pesquisa empírica descreve o desenvolvimento de casos individuais (método qualitativo de vários estudos de caso incorporados), e a segunda parte apresenta dados agregados e sondas de teste (estatística descritiva e estatística de teste).

Principais resultados: Matrizes Coloridas Raven mostraram um aumento geral na inteligência de nossa população atípica em 29,37% p nos dois anos em longo período de intervenção (melhora média). O PPVT indicou um período de 3 anos e 10 meses de crescimento em anos mentais dentro dos dois anos em longo tempo de intervenção com significativa melhora em 14 casos. A análise por estatística de teste (teste T de amostras pareadas) indicou que houve mudanças significativas no desenvolvimento cognitivo dos participantes entre as medidas pré e pós-teste nas matrizes coloridas de Raven (média 10,57, DP = 6,12 , t = 6.460, p <0,001;). Os resultados obtidos por um sistema de teste orientado a critérios de triagem escolar (teste DIFER) mostraram um crescimento médio com aumento de 39,46% p nos domínios necessários para a prontidão escolar. O desenvolvimento intensivo da figura humana dos participantes - como um "subproduto" generalizado da intervenção - provou ser surpreendente.

Conclusões: Os limites do intelecto humano também podem ser ampliados em caso de deficiência intelectual. É possível melhorar a inteligência fluida de crianças com deficiências cognitivas, usando um programa abrangente, como MLE, PEI-Básico e MST. Se aplicados sistematicamente com crianças com deficiência intelectual por um longo período de tempo (talvez até de 3 a 4 anos), espera-se que os sistemas aplicados levem a um aumento da eficácia da aprendizagem, processos cognitivos básicos mais eficazes e habilidades de raciocínio, além de preparar as crianças para o aprendizado escolar e uma melhor adaptação aos desafios da vida cotidiana.

 

 O impacto do treinamento em educação cognitiva no desempenho cognitivo dos professores

Publicado em: Revista de Educação Cognitiva e Psicologia, Volume 14, Número 2, 2015 Por: Alex Kozulin

Resumo: A educação cognitiva é geralmente considerada termos de impacto sobre habilidades de resolução de problemas dos alunos e sua aquisição de conhecimento disciplinarPouco se sabe sobre o impacto de treinamento cognitivo nas habilidades cognitivas dos próprios professores. Nisse estudo piloto 80 professores do ensino médio da África do Sul participaram o cognitivo curso de educação (Programa de enriquecimento instrumental) e então implementaram os princípios do ensino / aprendizagem cognitiva em a sala de aulaAs habilidades de resolução de problemas dos professores foram avaliado antes do início e após 9 meses de treinamento e implementação. Mudanças significativas foram observadas no desempenho para resolução de problemasProfessores com melhor domínio do programa de educação cognitiva  também demonstraram melhor desempenho na tarefa cognitiva do pós-teste. Professores com desempenho cognitivo mais fraco no pré-treinamento obtiveram relativos ganhos eção aos professores com desempenho inicial mais forte. Recomendações foram feitas sobre o uso do Programa de  Enriquecimento Instrumental como um ferramenta de aprimoramento cognitivo para professores.

 Um modelo inovador para a Reabilitação Neurocognitiva Dinâmica em indivíduos com Lesão Cerebral Adquirida.

Publicado em: Transylvanian Journal of Psychology, junho de 2015 16 (1): 3-30 De: Idit Dorfzaun-Harif et al.

Resumo: Este artigo apresenta o trabalho realizado no Instituto Feuerstein em Jerusalém com pessoas que sofreram Lesão Cerebral Adquirida (ABI). Ao longo da última década 105 pessoas que sofrem de ABI têm estado tratados: 61 pessoas após uma lesão cerebral traumática, 20 pessoas depois de  um acidente vascular cerebral, 11 após lesão cerebral anóxica, 9 após tumores cérebrais e 4 sofrem de ITB, devido a diferentes doenças.  A abordagem de reabilitação baseiou-se na teoria de Modifiabilidade Cognitiva Estrutural (SCM) de Reuven Feuerstein. Foram apresentados aspectos teóricos e práticos do trabalho com essa população e exemplos de descrições de tratamento com base em  estudo de casos estudos foram incluídos. Foi explicado o valor especial de trabalho neurocognitivo dinâmico na abordagem de reabilitação com a população de clientes com lesões cerebrais adquiridas após a conclusão do reabilitação hospitalizada Estágio.

 Uma abordagem cognitiva aplicada ao ensino.

 Por: VĚRA POKORNÁ, et al.

 Resumo: Este artigo relata os resultados de estratégias educacionais e métodos baseados no Programa de Enriquecimento Instrumental de Feuerstein (FIE) em alguns escolas e centros de consulta da República Tcheca. Começando no ano 2000, quando foi realizado o primeiro workshop na FIE, cerca de 780 psicólogos, professores, educadores especiais e pais fizeram a formação na Metodologia de Reuven Feuerstein através do ATC (Centro de Treinamento Credenciado). É muito difícil dizer quantas crianças e adultos realmente foram beneficiados pela intervenção da FIE. Os ex-alunos são os principais responsáveis por um grupo de crianças, uma turma ou pelo menos uma família. Cada um deles se tornou um líder de opinião  em Educação. Foi estimado que o número de crianças beneficiadas pelo FIE corresponda a dez vezes mais que o número de participantes. Os beneficiados aumentam lenta e continuamente. A contribuição foi apresentada em uma coleção de estudos de caso, utilizando um método de pesquisa qualitativa. A primeira parte do artigo compara o presente trabalho de um professor em uma pequena escola, que aplica o conceito do Prof. Feuerstein, com a maneira anterior de ensinar. O segundo trata da autoavaliação dos alunos em disciplinas individuais (matemática, língua materna etc.), o terceiro discute a aplicação do FIE no ensino de crianças com deficiência intelectual, o quarto é dedicado ao uso de tabelas e paradigmas no ensino da língua materna e de outras línguas na sétima série, o quinto sobre a aplicação do FIE no ensino de física e a última parte (6) do planejamento da lição com base no curso FIE. Totalizando 6 professores e 99 alunos estavam envolvidos.

 

 

Refinando a pedagogia com um humanista psicologia da mediação cognitiva.

 

 

Por: Lorenzo Tebar Belmonte

 

 

Resumo: Este artigo examina o legado intelectual de Reuven Feuerstein (1921-2014) através de uma análise de como suas teorias implícitase práticasservem para alinhar a pedagogia com o ensino mediador. Oferece um exame mais detalhadofrequentemente aspectos psicológicos e pedagógicos de mediação para a prática da educação na sala de aula, depois de delinear doze características de uma pedagogia mediadora. Os princípios do mapa cognitivo são explicados para aumentar entendimento do professor de como transmitir conteúdo de forma mais eficaz e mais adaptativamenteEsse estilo de mediação dá aos professores uma sensação deautenticidade profissionalO simples papel detransmissor do material é alterado nessa do especialista, guia, diretor, vizinho educador, etc. Como conseqüência dessa transformação, muitos professores começaram a sentir mais entusiasmado paratrabalho deles. Conclui com um resumo da influência de Feuerstein derivada dessas formulações.

 

 

Fidelidade da mediação entre pares e seu papel na melhoria das habilidades de comunicação em inglês oral dos alunos.

 

 

Por: Betegiorgis Mamo & Abiy Yigzaw Publicado: Science, Technology and Arts Research Journal, 4 (1), 203-214, 2015

 

 

Resumo: O objetivo deste estudo foi examinarfidelidadeda mediação entre pares e seu papel na melhoria das habilidades de comunicação oral em inglês dos alunos na Universidade Debre-Berhan. Uma aula de habilidades comunicativas de inglês foi selecionada aleatoriamente como um grupo de estudo. Nesta aula, alunos de alto e médio porte, juntamente com alunos de baixo desempenho em habilidades de comunicação oral em inglês, foram identificados como mediadores de pares (N = 15) emediadores(N = 61), respectivamente. omediadoresforam categorizados em grupos de pares de médio e baixo desempenho, cada um dos quais composto por cinco membros, incluindo um mediador designado aleatoriamente para o grupo. Durante uma sessão de três semanas conduzida por professores, os grupos de pares foram treinados no procedimento de mediação entre pares, aprimorando aspectos de habilidades orais comoorganização de bits de informação relacionados, sucessão eventos e descrição de qualidades individuais em pessoalintrodução. As descobertas revelaram que havia um nível aceitável de concordância entre os mediadores pares e osmediadores em fidelidadeda mediação entre pares ao classificar a lista de verificação de fidelidade. As pontuações de comunicação oral pré e pós-teste melhoraram significativamente para os que alcançaram resultados baixos e médios,o parmediação. Com base nos resultados, foram feitas recomendações com o objetivo de examinar a praticidade sustentada da mediação entre pares para melhorar o aprendizado e o desempenho dos alunos nas habilidades de comunicação oral em inglês.

 

 

Restaurando o edifício da linguagem: um caso estudo de efeitos a longo prazo da terapia intensiva com afasia, empregando modificabilidade cognitiva estratégias.

 

 

Por: Anaki D, Goldenberg R, Devisheim H Rosenfelder D, Falik EU , Harif EU . Jornal: NeuroRehabilitation

 

 

Resumo: NG é um arquiteto que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágica occipital-parietal esquerda em 2000, resultando emafasiade Wernicke e tipos de condução. Ele foi caracterizado com fluênciaparafásicofala, diminuição da repetição e nomeação de objetos prejudicada. A compreensão foi relativamente preservada, mas a leitura e a escrita foram severamente comprometidas, assim como sua memória auditiva de trabalho. Apesar de sombrioprognósticoele foi submetido a terapia intensiva com afasia, de 2001 a 2010, no Centro de Reabilitação Cognitiva do Cérebro Ferido no Instituto Feuerstein. As intervenções feitas sob medida, aplicadas na terapia de NG, basearam-se na implementação dos princípios da Experiência de Aprendizagem Mediada Estrutural (MLE) e no Programa de Enriquecimento Instrumental Feuerstein (FIE), para otimizar sua reabilitação. Como umresultadoNG melhorou na maioria de suas capacidades lingüísticas prejudicadas, atestado pelos resultados de avaliações neuropsicológicas e linguísticas realizadas ao longo dos anos. Mais importante, ele foi capaz de gerenciar novamente suas funções diárias em altanível, e retomar seu papel ocupacional como arquiteto, um papel que ele ocupa até hoje.

 

 

Significado da abordagem de Feuerstein na reabilitação neurocognitiva.

 

 

Por: Lebeer, Jo. Jornal: NeuroRehabilitation

 

 

Resumo:A teoria da Modificabilidade Cognitiva Estrutural e da Experiência de Aprendizagem Mediada de Reuven Feuerstein afirma que indivíduos com comprometimento cerebral, devido a origem congênita ou adquirida, podem melhorar substancial e estruturalmente seu funcionamento cognitivo, por uma intervenção sistemática baseada em um tipo específico de critérios baseado em critérios. interação (“aprendizado mediado”). Três sistemas de aplicativos são baseados nele: uma avaliação interativa dinâmica da capacidade de aprendizagem e processos de aprendizagem, o LPAD (LearningPropensity Assessment Device); um programa de intervenção cognitiva chamado “Programa de Enriquecimento Instrumental”, que treina funções cognitivas, metacognitivas e executivas; e um programa, orientado para o trabalho em contexto, Modelando Ambientes Modificadores. Esses programas foram aplicados em grupos-alvo amplamente diferentes: de crianças e jovens adultos com dificuldades de aprendizagem e desenvolvimento, em risco de fracasso escolar ou de reprovação escolar, devido a desvantagem socioeconômica ou comprometimento neurológico congênito; jovens e adultos desfavorecidos em treinamento vocacional, a idosos no início de uma processo demencial. A experiência com reabilitação cognitiva de crianças e adultos com dano cerebral adquirido tem sido relativamente recente, primeiro na Unidade de Lesões Cerebrais do Instituto Feuerstein em Jerusalém, mais tarde em outros centros em diferentes partes do mundo; portanto, os dados científicos são escassos. a idosos no início de um processo demencial. A experiência com reabilitação cognitiva de crianças e adultos com dano cerebral adquirido tem sido relativamente recente, primeiro na Unidade de Lesões Cerebrais do Instituto Feuerstein em Jerusalém, mais tarde em outros centros em diferentes partes do mundo; portanto, os dados científicos são escassos. a idosos no início de um processo demencial. A experiência com reabilitação cognitiva de crianças e adultos com dano cerebral adquirido tem sido relativamente recente, primeiro na Unidade de Lesões Cerebrais do Instituto Feuerstein em Jerusalém, mais tarde em outros centros em diferentes partes do mundo; portanto, os dados científicos são escassos.

 

 

O objetivo deste artigo é examinar como a abordagem de Feuerstein se encaixa nos objetivos e abordagens propostas da reabilitação cognitiva e explorar sua relevância na avaliação e intervenção em indivíduos com lesão cerebral congênita ou adquirida.

 

 

A metodologia da abordagem de Feuerstein consiste em quatro pilares: avaliação dinâmica, ativação cognitiva, aprendizado mediado e modelagem de um ambiente modificador. Os critérios da experiência de aprendizagem mediada são explicados com referência específica a pessoas com lesão cerebral adquirida. O procedimento do dispositivo de avaliação da propensão à aprendizagem utiliza tarefas visuoespaciais e verbais conhecidas na avaliação neuropsicológica (como o desenho complexo de figuras de Rey), bem como no formato pré-teste - intervenção breve - pós-teste.

 

 

A ativação cognitiva é realizada de várias maneiras: um programa de papel e lápis relativamente livre de conteúdo chamado “enriquecimento instrumental”, com transferência de princípios aprendidos para situações da vida cotidiana, seguido de feedback metacognitivo. São analisados quatro casos de lesão cerebral adquirida: um homem de 19 anos com extensas lesões cerebrais frontotemporais pós-astrocitoma; um homem de 19 anos com destruição bilateral do parênquima temporal temporal e parieto-occipital bilateral e direita após lesão cerebral traumática; um homem de 24 anos com hemisferectomia por epilepsia intratável por causa da síndrome de Sturge-Weber; e um homem de 30 anos com cisto porencefálico esquerdo após hemorragia cerebral.

 

 

O aprimoramento cognitivo estrutural pode ser demonstrado em escores de mudança positiva na memória visuoespacial, memória associativa e verbal, pensamento abstrato e organização de tarefas, mesmo mais de 10 anos após o TCE. Em alguns casos, um aumento no QI foi documentado. Também foram observadas melhorias no funcionamento da vida cotidiana e na (re) aprendizagem de habilidades acadêmicas.

 

 

Embora seja impossível reivindicar evidências científicas, os relatos de casos sugerem a importância da avaliação interativa na elaboração de programas de intervenção com intensidade, frequência, duração e consistência suficientes da mediação; além disso, um ingrediente essencial é a abordagem ecológica que exige trabalhar com o paciente e com toda a rede ao redor; um “sistema de crenças” firme ou que a modificabilidade seja possível mesmo com graves danos cerebrais e muitos anos após a lesão; uma abordagem cognitiva, metacognitiva e executiva, e uma qualidade de interação de acordo com os critérios de aprendizagem mediada. Eles sugerem que a abordagem de Feuerstein pode oferecer perspectivas interessantes para a reabilitação cognitiva. É necessária uma pesquisa mais extensa para fornecer uma base de evidências científicas mais ampla.

 

 

Reabilitação cognitiva; Teoria de Feuerstein da modificabilidade cognitiva estrutural; dano cerebral adquirido; avaliação dinâmica; plasticidade ecológica; experiência de aprendizagem mediada.

Estresse no Sistema Educacional como Fonte Potencial de Influências Epigenéticas no Desenvolvimento e Comportamento Infantil

RESUMO

         Apesar dos avanços atuais na relevância das pistas ambientais e dos mecanismos epigenéticos nos processos biológicos, incluindo o comportamento, pouca atenção tem sido dada ao potencial elo entre as influências epigenéticas e as ciências da educação. Por exemplo, o ambiente de aprendizagem e o estresse poderiam determinar a marcação epigenética, afetando o desenvolvimento do comportamento dos alunos? Isso poderia ter consequências nos resultados educacionais? Até agora, foi demonstrado que o estresse ambiental influencia os processos e comportamentos neurológicos tanto em humanos quanto em ratos. Através de mecanismos epigenéticos, filhos de indivíduos estressados desenvolvem comportamento alterado sem qualquer exposição a experiências traumatizantes. O DNA metilado e os RNAs não-codificantes regulam os processos neurológicos, como a plasticidade sináptica e o desenvolvimento do córtex cerebral em crianças. O mau funcionamento desses processos está associado a vários distúrbios neurológicos, e essas descobertas abrem novos caminhos para o design de ambientes enriquecidos para educação e terapia. Neste artigo, discutimos os casos atuais de transtornos de estresse e comportamentais encontrados em jovens, e destacamos a importância de considerar processos epigenéticos que afetam o desenvolvimento de habilidades cognitivas e de aprendizagem dentro do ambiente educacional e para o desenvolvimento de metodologias de ensino.

Palavras-chave: epigenética, estresse, aprendizagem, herança cultural, educação.
Efeitos enriquecedores no desenvolvimento cognitivo de adultos: a capacidade funcional de adultos mais velhos pode ser preservada e aprimorada?

Abstrato

Neste trabalho, perguntamos se vários tipos de atividades intelectuais, físicas e sociais produzem efeitos cognitivos de enriquecimento, isto é, se melhoram o desempenho cognitivo em diferentes momentos da vida adulta, com ênfase particular na velhice. Começamos com um quadro teórico que enfatiza o potencial do comportamento para influenciar os níveis de funcionamento cognitivo. De acordo com essa estrutura, a presença inegável do declínio cognitivo relacionado à idade não invalida a visão de que o comportamento pode melhorar o funcionamento cognitivo. Em vez disso, o curso do envelhecimento normal molda uma zona de funcionamento possível, que reflete as dotações específicas da pessoa e as restrições relacionadas à idade. Os indivíduos influenciam se eles funcionam nos intervalos mais altos ou mais baixos desta zona, envolvendo-se ou abstendo-se de benefícios intelectuais, atividades físicas e sociais. Deste ponto de vista, o potencial de mudança positiva, ou plasticidade, é mantido na cognição adulta. É um argumento que é apoiado por novas pesquisas em neurociência mostrando plasticidade neural em vários aspectos do funcionamento do sistema nervoso central, neuroquímica e arquitetura. Essa visão do potencial humano contrasta com as concepções estáticas de cognição na velhice, segundo as quais o declínio das habilidades é fixo e os indivíduos não podem retardar seu curso. Além disso, qualquer compreensão da cognição como ocorre na vida cotidiana deve fazer uma distinção entre mecanismos cognitivos básicos e habilidades (como a capacidade da memória de trabalho) e o uso funcional da cognição para alcançar objetivos em situações específicas. Na prática, o conhecimento e a especialização são críticos para um funcionamento eficaz, e as evidências disponíveis sugerem que os adultos mais velhos efetivamente empregam conhecimento e expertise específicos e podem adquirir novos conhecimentos quando necessário. Concluímos que, no balanço, a evidência disponível favorece a hipótese de que manter um estilo de vida intelectualmente engajado e fisicamente ativo promove o envelhecimento cognitivo bem-sucedido. Primeiro, estudos de treinamento cognitivo demonstraram que adultos mais velhos podem melhorar o funcionamento cognitivo quando recebem treinamento intensivo em estratégias que promovem o pensamento e a lembrança. A literatura de treinamento inicial sugeria pouca transferência de função de habilidades especificamente treinadas para novas tarefas cognitivas; o aprendizado foi altamente específico para os processos cognitivos almejados pelo treinamento. Recentemente, no entanto, uma nova geração de estudos sugere que fornecer experiência estruturada em situações que exijam coordenação executiva de habilidades - como videogames complexos, paradigmas de troca de tarefas e tarefas divididas de atenção - treine o controle estratégico sobre a cognição que mostra a transferência para diferentes ambientes de tarefas. Estes estudos sugerem que existe um considerável potencial de reserva na cognição de adultos mais velhos que pode ser melhorado através de treinamento. Em segundo lugar, um número considerável de estudos indica que a manutenção de um estilo de vida que é intelectualmente estimulante prediz melhor manutenção de habilidades cognitivas e está associada a um risco reduzido de desenvolver a doença de Alzheimer no final da vida. Nossa revisão foca na evidência longitudinal de uma conexão entre um estilo de vida ativo e uma melhor cognição, porque tal evidência admite menos explicações rivais de efeitos observados (ou falta de efeitos) do que evidências transversais. A evidência longitudinal mostra consistentemente que envolver-se em atividades intelectualmente estimulantes está associado a um melhor funcionamento cognitivo em momentos posteriores do tempo. Outros estudos mostram que o envolvimento social significativo também é preditivo de uma melhor manutenção do funcionamento cognitivo na velhice. Essas descobertas longitudinais também estão abertas a importantes explicações rivais, mas, no geral, as evidências disponíveis sugerem que as atividades podem adiar o declínio, atenuar o declínio ou proporcionar benefício protético em face do declínio cognitivo normativo, ao mesmo tempo indicando que cognitivo tardio mudanças podem resultar na redução de atividades. Dada a complexidade das relações recíprocas dinâmicas entre atividades estimulantes e função cognitiva na velhice, pesquisas adicionais serão necessárias para abordar até que ponto os efeitos observados validam uma influência causal de um estilo de vida intelectualmente engajado na cognição. No entanto, a hipótese de que um estilo de vida ativo que requer esforço cognitivo traz benefícios a longo prazo para a cognição de adultos mais velhos é, no mínimo, consistente com os dados disponíveis. Além disso, novas pesquisas de intervenção que envolvem intervenções multimodais focadas em ações direcionadas a metas que exijam cognição (como a leitura para crianças) e interação social ajudarão a determinar se um estilo de vida ativo melhora a função cognitiva. Terceiro, há uma literatura paralela que sugere que a atividade física e o exercício aeróbico em particular, melhora a função cognitiva dos adultos mais velhos. Ao contrário da literatura sobre um estilo de vida ativo, já existe um conjunto impressionante de trabalhos com populações de humanos e animais mostrando que as intervenções de exercícios têm benefícios substanciais para a função cognitiva, particularmente para aspectos de inteligência fluida e função executiva. Pesquisas recentes em neurociência sobre este tópico indicam que o exercício tem efeitos substanciais na morfologia e função do cérebro, representando um substrato cerebral plausível para os efeitos observados do exercício aeróbico e outras atividades sobre a cognição. Nossa revisão identifica várias áreas em que pesquisas adicionais são necessárias para abordar questões críticas. Por exemplo, há evidências epidemiológicas consideráveis de que o estresse e o sofrimento psicológico crônico estão associados negativamente a mudanças na cognição. Em contraste, Sabe-se menos sobre como atributos positivos, como a autoeficácia, um senso de controle e um senso de significado na vida, podem contribuir para a preservação da função cognitiva na velhice. Sabe-se que certas características da personalidade, como a conscienciosidade, preveem a adesão a um regime de exercícios, mas não sabemos se esses atributos também são relevantes para prever a manutenção da função cognitiva ou compensação efetiva para o declínio cognitivo quando ocorre. Da mesma forma, mais informações são necessárias sobre os fatores que estimulam a manutenção de um estilo de vida ativo na velhice face ao risco elevado de declínio fisiológico, desgaste mecânico do corpo e incidência de doenças com conseqüências incapacitantes, e se os esforços para manter um estilo de vida ativo está associado ao envelhecimento bem-sucedido, tanto em termos de função cognitiva e bem-estar psicológico e emocional. Também discutimos brevemente algumas questões interessantes para a sociedade e políticas públicas em relação aos efeitos de enriquecimento cognitivo. Por exemplo, os esforços para melhorar a função cognitiva devem ser incluídos como parte de um modelo geral de prevenção para melhorar a saúde e a vitalidade na velhice? Também comentamos sobre a recente tendência das intervenções de marketing empresarial reivindicadas para construir o poder do cérebro e prevenir o declínio cognitivo relacionado à idade, e a conveniência de evidências de pesquisas diretas para apoiar alegações de eficácia para produtos específicos. Os esforços para melhorar a função cognitiva devem ser incluídos como parte de um modelo geral de prevenção para melhorar a saúde e a vitalidade na velhice? Também comentamos sobre a recente tendência das intervenções de marketing empresarial reivindicadas para construir o poder do cérebro e prevenir o declínio cognitivo relacionado à idade, e a conveniência de evidências de pesquisas diretas para apoiar alegações de eficácia para produtos específicos. Os esforços para melhorar a função cognitiva devem ser incluídos como parte de um modelo geral de prevenção para melhorar a saúde e a vitalidade na velhice? Também comentamos sobre a recente tendência das intervenções de marketing empresarial reivindicadas para construir o poder do cérebro e prevenir o declínio cognitivo relacionado à idade, e a conveniência de evidências de pesquisas diretas para apoiar alegações de eficácia para produtos específicos.

Estratégias intervencionistas para a modificação significativa do funcionamento cognitivo no adolescente em desvantagem.
Efeitos do Programa de Enriquecimento Instrumental.
PMID:
 
5044732
[Indexado para MEDLINE]

Link para pesquisa:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/5044732

Em breve, mais pesquisas científicas neste espaço!

Aguardem!

 

Se preferir ser notificado. Envie um WhatsApp para (61) 9 8403 9567. Peça para ser notificado das pesquisas científicas colocadas no site.

 

Atenciosamente,  equipe CDIB 


Várias apresentações em 2018.

  Nas últimas apresentações em SP e Brasília os assuntos abordados variaram entre a neurofisiologia da aprendizagem, sua inter-relação com a performance cognitiva humana, e novíssimas tecnologias para ganhos, manutenção e aprimoramento da saúde física e mental.           Foram demonstradas atuações em crianças, adolescentes e adultos,  utilizando técnicas como a Análise computadorizada do Sistema Nervoso Autônomo, Biofeedback, Indução de Ondas do Cérebro, Neuro Otimização e variadas ferramentas neuropsicopedagógicas      inclusive o PEI - um programa para desenvolvimento da Inteligência.                                
      Abrem-se portanto, grandes alternativa para a educação,  neuropsicopedagogia e saúde com a associação de tecnologias que permitem quantificar, estimular e avaliar a evolução do indivíduo no processo de aprendizagem e saúde.                                        

Tecnologia REAC

Moderna tecnologia de neuromodulação foi o motivo da palestra do Dr. Paulo Roberto Fochesato – Médico  – realizada no Setor Hospitalar Sul de Brasília.

Abordou o tratamento de quadros degenerativos, distúrbios do equilíbrio, dor crônica e diversas sequelas de lesões, com a utilização desta terapia que é motivo de inúmeros estudos científicos publicados nas maiores revistas médicas internacionais, como a Nature e a Scientific Report.

Salientou a ação rejuvenescedora celular do método, uma vez que facilita a produção e a diferenciação de células-tronco e a produção da Telomerase – enzima associada à longevidade celular.

Tendo se especializado no método na Itália em fevereiro de 2015, local onde foi idealizada esta tecnologia, esteve recentemente de volta à Itália em outubro de 2016, onde foram abordadas novas indicações deste tratamento, especialmente nos aspectos epigenéticos de pacientes 

Doença de PARKINSON , ALZHEIMER e outras patologias. 

 

Atende em Brasília no CDIB – Centro de Desenvolvimento da Inteligência e Biofeedback, onde aplica as sessões de neuromodulação com o REAC.